Mulheres, negros, índios…O carnaval 2020 do Grupo Especial

Publicado por:

Categorias

Compartilhar

Mulheres, negros, índios, quilombos, favelas, terreiros, Bahia, lavadeiras… O carnaval 2020 do Grupo Especial se anuncia como o diabo gosta: negro, forte e destemido, sem medo de ser duramente perseguido. Africana na raiz, a trilha sonora do maior espetáculo da Terra samba miudinho entre os temas de debate corrente e a festa de Momo, mais fundamental do que nunca.

Depois de consagrar suas Marias, Mahins e Marielles com a “História para ninar gente grande” de 2019, a campeã do Grupo Especial, Mangueira leva Jesus Cristo ao morro com “A verdade vos fará livre” (ideia do carnavalesco Leandro Vieira, mente brilhante do carnaval e do Brasil atuais): “Eu sou a Estação Primeira de Nazaré/Rosto negro, sangue índio, corpo de mulher”, canta Marquinho Art’Samba (cuja voz caiu como uma luva na levada da bateria Surdo Um) no samba de Manu da Cuíca e Luiz Carlos Máximo, integrantes da parceria de 2019.

Sambas de Enredo do Grupo Especial 2020
Sambas de Enredo do Grupo Especial 2020

Depois da esperada Mangueira, a ordem das faixas começa logo a sacudir o status quo, quando o irresistível refrão “Oh, mãe, ensaboa, mãe, ensaboa, pra depois quarar” vem de Niterói, trazendo a Viradouro (grande vice-campeã do último carnaval, no ano em que chegava do Grupo de Acesso) e sua homenagem às Ganhadeiras de Itapuã, grupo musical que leva adiante a tradição das lavadeiras. O sempre vibrante puxador Zé Paulo Sierra comanda a viagem à Bahia, ao folclore, ao terreiro. De azul e branco por este mundo sem fim, a Unidos de Vila Isabel homenageia Brasília em seguida, com um samba que é a cara do povo de Noel, puxado por Tinga, intérprete que transpira o DNA da agremiação. Raçuda, a canção chega à capital do Brasil pelas lutas de índios e escravos no Centro-Oeste.

Se a Vila fala de “Jaçanã e um índio chamado Brasil”, a Portela – que estreia em 2020 ninguém menos do que a dupla de carnavalescos Renato e Márcia Lage – vem de “Guajupiá, terra sem males”, enredo que conta a lenda dos Tupinambás, um dos povos que ocupavam originalmente esta terra. Gilsinho abrilhanta o samba assinado por Cláudio Russo e parceiros, dolente como a Portela, guerreiro como os Tupinambás.

Segue-se mais uma aula da Academia do Samba, comandada pelos professores Quinho e Emerson Dias: “Aqui o negro não sai de cartaz”, garante o Salgueiro, que conta a história de Benjamin de Oliveira, o primeiro palhaço negro do Brasil. Equilibrado entre a levada contagiante e uma combinação emocionante de melodia e letra, “O rei negro do picadeiro” mantém o alto nível da alvirrubra nos últimos anos.

Viradouro final de samba– CARNAVAL 2020 – 21/09/2019 FOTOS: CLOSE PRODUTORA
Viradouro final de samba– CARNAVAL 2020 – 21/09/2019 FOTOS: CLOSE PRODUTORA

Por falar em referência da arte brasileira e negra, a Mocidade entrega flores em vida a “Elza Deusa Soares”, na voz de Wander Pires. Com a habitual batida seca de caixas e tamborins, a escola da Zona Oeste traça o caminho de luta, tragédia e volta por cima da cantora e do Brasil que ela simboliza, o do Planeta Fome, em samba assinado por Sandra de Sá e parceiros. Salve a Mocidade!

De Padre Miguel para a Tijuca, mais uma voz inconfundível do carnaval traz o povo do Borel à Sapucaí: “A minha felicidade mora nesse lugar/ Eu sou favela” (é impressionante a coerência dos enredos…), canta Wantuir em “Onde moram os sonhos”, que marca o retorno do carnavalesco Paulo Barros à Unidos da Tijuca, onde foi campeão três vezes. O mexidinho da bateria de Mestre Casagrande garante a base para a obra de Dudu Nobre, Jorge Aragão, André Diniz e outros, feita sob encomenda.

Em São Cristóvão, não muito longe do Borel, o método foi o mesmo: mais uma vez, Moacyr Luz, Cláudio Russo e parceiros assinam o samba do Paraíso do Tuiuti, “O santo e o rei – Encantarias de Sebastião”. A pegada afro que caracteriza a escola em anos recentes emoldura a melodia que passa pelo monarca, pelo santo padroeiro do Rio e pelas lendas que o cercam. Carnaval em estado puro.

Portela Foto: Leo Cordeiro
Portela Foto: Leo Cordeiro

De São Cristóvão o Grupo Especial pega a Linha Vermelha e vai até Duque de Caxias, numa viagem de cerca de 20km e 70 anos que exalta o sacerdote Joãozinho da Gomeia, pai de santo visitado por nomes como Jorge Amado, Juscelino Kubitschek e dezenas de atrizes, atores e músicos. Celebrado como um dos enredos (e sambas) do ano, “Tatalondirá – O canto do caboclo no quilombo de Caxias”, da Grande Rio, canta o axé do baiano Joãozinho com garra, além de passar pelo essencial alerta contra a intolerância: “Eu respeito o seu amém, você respeita o meu axé”, na voz de Evandro Malandro.

Pegando a mesma Linha Vermelha de volta, o disco desembarca na Ilha do Governador, onde o monstro Ito Melodia canta “Nas encruzilhadas da vida, entre becos, ruas e vielas, a sorte está lançada: salve-se quem puder”, um emocionante hino de louvor ao povo das comunidades. Encruzilhadas, becos e vielas também aparecem, em abordagem diversa, em “Se essa rua fosse minha”, com que a Beija-Flor fala dos caminhos por onde o homem anda desde o início das civilizações, não esquecendo, é claro, os orixás e o povo da rua. “Nilopolitano em romaria/ A fé me guia”, garante Neguinho da Beija-Flor, mais de quatro décadas de serviços prestados à azul-e-branco da Baixada.

Promovendo a estreia de um craque do humor, Marcelo Adnet, no posto de compositor de samba-enredo (com parceiros), a São Clemente volta a um tema caro e necessário ao carnaval: a malandragem, para o bem e, principalmente, para o mal, em “O conto do vigário”. A escola de Botafogo revive seus dias de crítica social (o que a levou ao Grupo Especial lá nos anos 1980) no belo samba puxado por Bruno Ribas, Leozinho e Grazzi Brasil. “La garantía soy yo!”.

Para fechar a coleção, o velho Estácio reaparece no Grupo Especial, em edição luxuosa comandada pela carnavalesca Rosa Magalhães (que fez história na escola décadas atrás): “Pedra” é mais uma viagem dela (bem amarradinha, como sempre), que passa pela mineração, pela construção e tudo o que tem minerais envolvidos. Outro profissional com história com o povo do Morro de São Carlos, Serginho do Porto comanda com firmeza um samba melódico e criativo.

Compartilhar

Download Best WordPress Themes Free Download
Premium WordPress Themes Download
Free Download WordPress Themes
Download WordPress Themes
free download udemy course
download samsung firmware
Download WordPress Themes
free download udemy paid course